CONSUMO E AUTOESTIMA

consumo

Olá, Consultora! Tudo bem?

Você já assistiu àquele filme “Os delírios de consumo de Becky Bloom” (2009)? Ele conta a história de Rebecca Bloomwood (Isla Fischer) que é viciada em compras e acaba indo à falência por conta disso. Se não assistiu, assista, Consultora! Faz pensar um pouco mais sobre o tema de hoje que é consumo e autoestima.

Uma pesquisa do Serviço de Proteção do Crédito (SPC Brasil) identificou a ansiedade e a baixa autoestima como duas das principais características de quem compra por impulso. De acordo com os dados coletados, as mulheres compram mais por impulso do que os homens, 85% dos consumidores compram sem planejamento prévio e 43% das compras feitas por impulso têm motivos emocionais. Além dos fatores psicológicos, o fator social também ajuda a promover esse consumo desenfreado. Vivemos em uma sociedade consumista em que o valor do ser-humano, muitas vezes, se dá pelo seu poder de compra, ou seja, quem compra mais, é mais visto e valorizado na sociedade.

Pesquisas também revelaram que para metade dos consumidores ouvidos o consumo está ligado às boas sensações e ao prazer. O cérebro reage a esses estímulos produzindo endorfina (conhecido como hormônio do prazer) e gerando alívio da tensão e da ansiedade, relaxamento e prazer. Não é à toa que muitas pessoas, principalmente as mulheres, dizem que relaxam fazendo compras. Porque, em um primeiro momento, isso realmente é verdade.

Você que me acompanha sabe que acredito que uma Consultora de Imagem e Estilo deve ajudar seus clientes a reconstruírem sua autoestima, pois, na maioria das vezes, eles nos procuram para melhorá-la. A autoestima baixa prejudica muitas áreas da vida dos nossos clientes. Comprar por impulso e se endividar pode causar problemas de relacionamento e isso resultar em uma baixa autoestima e até depressão. Por outro lado, para pessoas que já estão com a autoestima prejudicada, comprar pode ser um meio de camuflar isso, preenchendo esse vazio com o prazer momentâneo de comprar.

O meio social também influencia muito. A influência da mídia que incentiva o consumo, prazos maiores de pagamentos e maior número de parcelas incentivam o consumo por impulso. Somos bombardeados, diariamente, com anúncios de novos e promissores produtos que podem solucionar muitos problemas e com preços tentadores.

Para saber se seu cliente compra por impulso, cada vez que ele for comprar alguma coisa, peça  que ele responda a essas 4 perguntas:

EU PRECISO REALMENTE DESSA PEÇA?

Precisar é diferente de querer. Normalmente, o impulso para comprar é por um desejo e não por necessidade. Ajude seu cliente a entender que não é necessário ter uma peça para cada ocasião e nem um guarda-roupa cheio para montar vários looks e transformar sua imagem.

PARA QUE ESTOU COMPRANDO?

Saber para que aquela peça está sendo comprada é essencial. Se é uma festa, casamento, um novo emprego, reunião importante… É importante saber se aquela nova aquisição é realmente necessária ou se é porque está em promoção, porque viu alguém usando e gostou, etc.

QUANTAS VEZES VOU USAR ESSA PEÇA?

Será que vale a pena comprar algo para usar uma única vez? Algumas ocasiões pedem um dress code específico, mas não é por isso que precisa comprar uma roupa nova. Talvez pedir emprestado ou alugar o traje seja uma alternativa. Se realmente houver a necessidade de comprar peças novas, planeje, juntamente com seu cliente, para que sejam peças versáteis que possam ser usadas posteriormente.

COMO IREI PAGAR ESSA COMPRA?

Você deve conhecer alguém que tem ou já teve dívidas por comprar demais, não conhece? Pois esse é um dos maiores problemas de quem compra muito e por impulso. Dívidas também ajudam a baixar a autoestima e até causam depressão. Planejar as compras é muito importante. A melhor opção é comprar à vista, mas, se não se não for possível, o valor das parcelas deve ser compatível com os ganhos do seu cliente. Ajude-o a planejar.

Perceba, Consultora, se seu cliente tem problemas de autoestima, ajude-o a descobrir seus pontos fortes para melhorar a relação dele com ele mesmo. Ajude-o também a melhorar os pontos que o incomodam. Perceba os sinais de compra por impulso e ajude-o a identifica-los para que possa reconhecê-los a tempo de evitar as compras desnecessárias. Uma autoestima elevada diminui o impulso por compras e melhora todos as outras áreas da vida do cliente.

E lembre-se que uma Consultora preparada para atender às necessidades de seu cliente é uma Consultora de sucesso!

Um Super Beijo

Lilian Jordão

0 Comentário

ENVIE SEU COMENTÁRIO:

Seu e-mail não será publicado *

Comentário *




Efetue o cálculo abaixo para continuar:
Preencha o resultado do cálculo novamente